A carregar. Aguarde, por favor.
Utilizador
Password
Os jornalistas da Lusa vão ter formaç...

Jornalistas da Agência Lusa têm formação na área da Justiça

Os jornalistas da Lusa vão ter formação na área da Justiça dada por magistrados do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), no âmbito de um protocolo assinado para melhorar a informação veiculada pela agência noticiosa

JusNet 937/2017

Falando na assinatura do documento, na sede da agência, em Lisboa, a presidente do Conselho de Administração da Lusa, Teresa Marques, notou que “a legislação é cada vez mais complexa, os problemas com que os jornalistas lidam nos vários setores de atividade também são cada vez mais diversos”.

Por essa razão, defendeu que o acordo entre as duas instituições vai “melhorar a capacidade técnica dos jornalistas” da Lusa, bem como dar mais qualidade aos seus conteúdos.

“E nós sabemos que as nossas notícias vão para os órgãos de comunicação em geral e temos uma influência direta e indireta muito grande no conhecimento público. Quanto mais nós pudermos esclarecer de uma forma correta, melhor”, assinalou, adiantando que a agência “vai beneficiar muito”.

Além de ações de formação – cujas primeiras sessões começaram hoje, focando-se em conceitos básicos e no esclarecimento de dúvidas –, o protocolo prevê “consultoria técnica ou especializada” do CEJ.

Prevê, ainda, o estabelecimento de “canais de comunicação privilegiados e permanentes”.

Segundo o diretor do CEJ, João Miguel, este documento “é um acerto de vontades […], num domínio importante, que é o da comunicação e do jornalismo”, numa tentativa de “fazer com que aquilo que são duas profissões e dois sistemas dialoguem”.

“Nós falamos todos português, mas a linguagem que usamos nem sempre dá para nos percebermos completamente. Com este protocolo e com estas ações de formação que já estão a decorrer, o que o CEJ e o que a Lusa pretendem é que os saberes dos magistrados sejam comunicados aos jornalistas no sentido de que […] aquela que é a sua função de informar seja feita com rigor e com uma forma muito precisa de linguagem para que o público também seja beneficiado”, acrescentou o responsável.

O protocolo vigora durante um ano, podendo ser renovado por igual período.

(13-11-2017 | Lusa)

Opciones